25 de março de 2016



Não és o meu pano de fundo. Nunca foste. Nunca me fizeste gritar, se não me apetecia. Obrigaste-me a amar-te quando menos merecias. E foi por isso que te demonstrei amor. Não eras o meu chão, mesmo quando me apoiavas. Sabia que estavas lá, mas tu sabias que eu estava para mim. Nunca foste as minhas palavras, mas encheste o meu silêncio. Quis gritar-te tantas vezes que fizeste o meu coração ficar sem voz. Parei de me importar e deixei-te ir. Sem veres, foste tanto que obriguei que visses que os teus passos não eram necessariamente os meus. Não foste o meu caminho, soube-o em todos os momentos em que fui feliz sem estares. Não és, mas foste: alguém que me deu muito e que não me apetece ter mais.
Ouve bem: eu não tenho que ser o que queres, só porque nunca viste o que realmente fui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fica em segredo, entre nós.