31 de maio de 2015


Eu sabia que nós não íamos ficar juntos sempre e muito menos para sempre. Eu sabia... Pelo que nós eramos, eu sabia. Mas preferia fechar os olhos e não ver. Ou pensar... No dia em que ias sem eu querer que fosses. No dia em que deixavas de me ver e que eu iria continuar sem saber como deixar de te ver. Eu sabia, só não sabia que seria próximo. Eu deixei de me sentir chateada, incompreendida, a partir do momento em que abri o coração e aprendi a amar-te com toda a gratidão e orgulho. Não te preocupes, não estou chateada. Não estou zangada. Não estou irritada. Esses sentimentos deixaram de fazer parte mim quando eu decidi amar-te com Amor. Só estou magoada. Desiludida. Por teres ido... Sem eu ter compreendido o porquê. Se fui eu que não te dei motivos suficientes para ficares... Se crescer não valeu dr nada, se melhorar não foi o certo; se eu não fui a certa então, acredita, eu não sabia ser de outra forma. Eu fui o melhor de mim, eu dei-te o melhor de mim. Dei-te e não, eu não estou arrepedida porque eu fiz tudo, mesmo que agora eu perceba que não viste nada. Eu sabia que as tuas promessas algum dia iriam ser quebradas e o teu amor posto em causa, sabia. Sabia por seres inconstante. Sabia por não saberes ou não teres vontade de comunicar. Sabia por não estares comigo nos meus piores momentos mas abraçares a vida comigo quando eu era feliz. Sabia por não quereres os meus defeitos. Sabia... Pelo que me fazias sentir. E eu sabia que eu não ia embora porque eu te amava... Admirando a pessoa que também sabias ser. Ficando feliz por me dizeres que eu era a tua paixão, igualmente à cozinha. Por me lembrar tão bem de quem foste e no que te tornaste comigo. 
No mínimo foste embora com dignidade porque eu te forcei a fazê-lo. Leva o beijo que me deste na cara pois preferia que me tivesses olhado nos olhos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fica em segredo, entre nós.