23 de agosto de 2014


Há muita coisa que te queria dizer mas não consigo. Não sei, mas.. penso que não me queres ouvir, ou que vais pensar que são coisas estúpidas.. Há muita coisa que te queria perguntar e saber de ti, como se estivesses no meu lugar, mas não sai.. E quando sai, é aqui. A escrever e não a falar. Tu sabes que é difícil para mim falar, apesar de que eu tento.. E tu reparas que estou a pensar, mas eu não posso dizer em quê. Eu posso, mas... Uma das perguntas que sempre te quis fazer é como ficarias se perdesses a tua mãe. É estúpido, ou estranho? É só que às vezes sinto que não entendes o quão ela me faz e fará falta, todos os dias, em todos os pôros de mim, em cada passo que der ou em cada sorriso que surgir: ela vai faltar. E, mesmo que não o diga todos os dias, eu sinto a falta dela e acho que tu não sabes ou que apenas não queres saber. Lá está, não sei! Mas só te quero lembrar que é isto que eu sinto, mesmo que não to diga e mesmo que não mo perguntes. Eu sinto falta, dor e perda. É tudo o que sinto. E deixei de sentir saudades quando me apercebi que ela não volta mais. Nunca mais e é isto que mais dói, repetidamente na minha cabeça e coração: n u n c a   m a i s. Em nenhum dia, em nenhum momento, em nenhuma circuntância. Eu vou terminar a faculdade e ela não vai estar. Eu vou tirar a carta e ela não vai estar. Eu vou casar e ela não vai estar. Eu vou ter filhos e ela não vai estar... Como não esteve quando eu acabei o 12º, ou quando estive internada no hospital, ou no dia dos meus anos e dos dela.. As saudades sentem-se com a certeza de que a pessoa voltará. A falta... é muito mais que saudades. É a certeza de que a mãe nunca voltará, não nesta vida e não para junto de mim. Eu sinto falta dela.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fica em segredo, entre nós.