19 de agosto de 2014

Apetece-me bater-te, dar - te estalos, atirar - te de um penhasco e apanhar-te, de seguida. Apetece-me empurrar-te e abraçar-te, abrir-te os olhos e as pestanas e adormecer-te para sonhares. Apetece-me tirar-te tudo porque é isso que mereces, em alguns momentos. Mas depois lembro-me que fritei o meu coração com a amizade que tantos dias já me deste e apetece-me dar-te tudo por tudo o que já me deste também. És tão oposta e tão contraditória. Tão impulsiva e imprevisível. Neste segundo está tudo bem e no segundo seguinte já queres ir embora para nunca mais voltar, fechar os olhos para nunca mais ver e matar o coração para nunca mais sentir e, o que me dói sem saberes, é a injustiça que crias em mim e perante a pessoa que és, por teres noção de que já me senti assim e sei o quanto feio parece o mundo nesses momentos. O mundo nem parece feio, na verdade, porque é como se ele deixasse de existir a partir do momento em que decides deixar de existir nele. Ouve... os dias não vão brilhar sempre, o que esperas por vezes não vai acontecer, tu podes ter uma má nota num teste porque não tens de ser a melhor em tudo. Ninguém vai querer que tu sejas perfeita porque vais ter sempre o direito de errar, mas tu tens deveres e, quanto mais não seja, para as pessoas que gostam de ti e lutam a tua luta enquanto te vêm desistir: tu estás proibida de desistir. Podes chorar e perder a esperança hoje, mas amanhã, quando o dia começar de novo, tu vais voltar a tentar fazer mais e melhor porque é disso que és feita: de vitória. E quando a tristeza se deitar contigo, eu levanto-me e vou até ti. Se a chuva vencer o sol, nós vamos vencer a chuva e dançar sobre ela porque não há outra maneira de dizer-te isto: os nossos problemas só têm o direito de ser o nosso tapete de conquistas e, se tu estiveres cansada eu vou arranjar mil maneiras para que sejas capaz de fazer mais esforço. Para que o nosso tempo nunca se apague e para que as palavras nunca nos faltem. Guarda bem os nossos risos para que nunca se percam no meio da tempestade. É isso o valor da amizade.

4 comentários:

  1. há partidas que nos custam. saudades que não passam. mas a vida é assim. seguir em frente é o lema. seguir em frente é a sorte dos que o conseguem fazer

    ResponderEliminar
  2. R: Como disse no post, não promovo esse tipo de blogs e portanto não vou fornecer o link. No entanto, se tiveres mesmo muito interesse, podes fazer uma rapida pesquisa no Google que encontrarás uns quantos. Infelizmente esse não é o único.

    ResponderEliminar
  3. r: Exato, às vezes também falo alto como se tivesse a explicar a matéria a alguém. E também tenho que estudar num lugar silencioso.

    ResponderEliminar
  4. Podes-te inscrever aqui: http://lettercrossing.blogspot.pt/p/blog-page.html

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.