19 de novembro de 2012


Um apoio falhado dói. Mas o teu apoio falhado mata. É isso que, até hoje, não reparaste. E, o que até hoje fui capaz de reparar foi no teu interesse desajeitado depois de um amor quase garantido; quase, porque o amor conquista-se todos os dias e o teu ombro como pilar acontece nos dias em que o meu coração te escolhe; Ou então te encontra no meio de uma multidão que nada me é, ou me pode ser. E eu continuo sem me entender, ou a não querer perceber o porquê de não seres o Escolhido, sem hesitar. Eu sou exigente, complexa, complicada. Não sou simples de feitio. Eu sou impaciente, instável e não acento os pés no chão. Eu sonho ilusões e acredito na fantochada do para sempre. Eu mordo os lábios do nervosismo, mexo no cabelo como se pudesse ser um tique incontrolável e dou aos outros, mais do que aquilo que tenho em mim. Mas, na tua essência eu vejo o cansaço e a vontade de viver outra Vida. O pote de impaciência que transportas fora da máscara de sempre e as direções fora da Terra que pretendes caminhar. De ti, recebem o que dão e quando estás nervoso apetece-te magoar-te a ti mesmo. És o meu oposto e não nos julgo por tentarmos atar os cordões que tanto se soltam. Ou por dirigirmos palavras que nunca serão verdade em cada certeza que contemos dentro de nós. Tu és bondoso a sério, só não tens a chave certa do meu coração.


2 comentários:

  1. Acho que temos em comum o feitio complexo, e darmos mais do que temos. Adorei o post ;)
    beijinhos*

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.