16 de outubro de 2012


És sol. És nuvens. És tempestades. És sorrisos. És relógio com falsos ponteiros. És lágrimas com sabor a Amor. És gargalhadas espontâneas. És bom-dia ainda com sono. És a força, o desespero, o tempo de sempre, a viagem louca sem caminho de volta... És brilho, esperança e futuro. És grande, muito grande. E eu amo-te muito, muito. E sabes por que és tão certo? É que até quando o Mundo viro o avesso, tu não te esqueces de dizer: não te quero perder.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fica em segredo, entre nós.