10 de agosto de 2012


Eu tenho dor de cabeça, e de coração também e eu queria dizer que sinto dor de alma, mas já a sufoquei à bastante tempo. Não, a sério que eu nunca quis, mas a Vida sempre foi mais forte. Sinto-me plástica por não conseguir mais. Sinto-me nada porque parece que realmente é isso que faço: nada. Estou cansada, exausta. Não encontro mais caminhos por onde correr, ou descansar. Não encontro mais palavras que me saibam acalmar. E os atos são sempre inexistentes e se não são, parecem ser. Eu não queria que nada se tornasse naquilo que é, mas eu não sei ser mais do que aquilo que sou e aquilo que sou, não é o suficiente. Já não piso chão, o tecto já não é o objeto que me sustenta o limite. Já não avisto a luz para além de uma casa fechada, trancada, morta e os lençois já estão gastos de não saber para onde me virar. Eu preciso de afundar-me nesse buraco que tanto chama por mim. Eu preciso de não estar aqui, mas... não há lugar nenhum onde eu possa estar.

6 comentários:

  1. Adoro o que escreves, é muito profundo (já te tinha dito isso).
    Ás vezes penso, na altura em que me vi nesse estado, e era péssimo... agora deixei de me importar.

    ResponderEliminar
  2. Calma, tens sempre um porto de abrigo onde te podes esquecer dos problemas.
    D *

    ResponderEliminar
  3. o blog é um bom refugio, mas se não te sentires bem estou aqui (: Sei que precisas de alguém para falar, se assim quiseres posso te dar o meu mail ou podes utilizar o bonequinho do msn no meu blog (:

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.