15 de maio de 2012

deixa de fazer sentido


Tu não sabes, mas também ninguém sabe... Estou sozinha, para além de todas as palavras que possam vir contra mim, para além de todos os braços que possam fingir estar abertos. Não sabes o que é deitar-me na cama e chorar, como se o amanhã me fosse devorar mais um pouco sem eu querer; como se o céu fosse preenchido em dias coloridos e abandonados em dias em que a chuva toma conta da Terra; como se viver não deixasse de ser mágico e príncipes viessem ao nosso encontro.
Ninguém sabe, mas eu sei, mais do que aquilo que queria... E doi-me em todos os momentos em que a realidade me bate à porta e me obriga a acolhê-la sem duvidar. Ela é dura e fria, tal como soube ser com ela, quando braços me chamavam para descansar e onde mãos não me sabiam largar. Houve tempos em que sabia gritar, em que era capaz de procurar... Mas esses tempos não existem, não agora, não em alguém ou algum corpo fraco e perdido. É, sou fraca e estou perdida, apenas por não ter um caminho certo para percorrer, uma mão segura e uma voz suave que poderia embalar-me em noites assim destas (...) E deixou de valer a pena escrever em vão, ou sentir para nada. Deixou de valer a pena lutar e manter algo que, talvez, não perdure. Deixou de valer a pena acreditar que, alguém nos dará a mão, por mais que a queda seja profunda.
É, o vazio sabe-me a muito e é amargo e a solidão deita-se comigo em horas em que as lágrimas me sufocam. Tu não sentes, ninguém sente. Ninguém está, e repara só onde chegaram promessas mal feitas, tu também não.

6 comentários:

  1. falas do meu texto ser mega lindo, mas o teu, tocou-me o coração :|
    estarei sempre aqui, loirinha. *

    ResponderEliminar
  2. mas a mim é prova GPS, uma prova exclusiva da nossa escola que é apenas da disciplina de português e de matemática :)

    ResponderEliminar
  3. Como eu te compreendo!!
    Adorei o teu texto... escreves sempre algo que quando leio parece que se relaciona com algo que se passa comigo (também).
    Os teus textos fazem-me pensar... :)

    ResponderEliminar
  4. Ohhh obrigada :) Eu sou apenas... hum... eu!
    Eu também sou fria, muito, mas mesmo muito pouco dada e também me protejo portanto compreendo-te.
    Obrigada pelo teu conselho ajudaste-me a pensar e a perceber que esta na hora de colocar as ideias em ordem. :)

    ResponderEliminar
  5. Adoro os teus textos, tão reais e descritivos!!

    ResponderEliminar
  6. marta reparo que não estive lá sempre para ti, agora que estou bem. Estou aqui para ti, tu não o aceitas, permaneço aqui para ti. portanto pensa... quero noticias tuas, tu não me as dás, não sei que posso fazer. Se não fosse o blog nada saberia de ti, nem como estavas :( reparei que não tens ninguém ou pensas que não tens. Mas eu a ti te posso dizer ESTOU AQUI!

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.