30 de agosto de 2011

esse dia vem sempre tarde


Eu fujo, mas procuro-te. Eu vou embora, mas volto. Se falar tu não me ouves, se ficar em silêncio tu não sentes. Eu fujo, mas procuro-te. Quando te encontro, não quero descobrir quem és. Houve um sentido, houve algo que valeu a pena. Houveste tu, houvemos nós, houve algo que eu não sei o quê. Eu vou embora, mas volto, como se hoje o meu único sentido fosses tu. Tu que foste, que não vens. Tu que partes, sem retorno. Tu que acabaste por adormecer uma alma tão cheia de vontade. Tu que não me procuras, que não me deixas encontrar-te. Tu que sempre foste tu, tu que sempre serás tu, aquele... Tu até ao dia em que me deite sobre o cansaço de um amor demasiado falhado. Tu até ao dia em que caia sobre a dor que não me levanta. Tu até ao dia em que a minha voz não te chame, até que a minha alma não grite o teu nome, até que a tua ausência não faça ser real a minha sobrevivência. Tu... até ao dia que não chega.

19 comentários:

  1. às vezes n consigo encontrar a minha paz.

    ResponderEliminar
  2. céus, martinha, que texto intenso em cada palavra. espero que emerjas rápido dessa recaída, bolas.

    ResponderEliminar
  3. vai haver um dia que tu vais perceber princesa. eu nunca cheguei a perceber por completo porque não queria perceber. mas aos poucos e poucos eu percebo que o amor nem sempre é saudável. e um amor em que só uma pessoa se dá, não resulta. tu vais chegar lá, acredita :)

    ResponderEliminar
  4. na nossa cabeça sim, acabou. mas no nosso coração não.. nós ainda temos esperança e isso mas é complicado, quando acabamos não tínhamos confiança nem felicidade e agora eu tenho medo que seja igual :s

    ResponderEliminar
  5. mas um dia, as saudades vão voar, voar muito longe, e entrará novo mágico no teu coração.

    ResponderEliminar
  6. falamos martinha, prai umas 3 vezes, conversas muito rápidas e nada de especial :(

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.