2 de abril de 2011

- hoje, é 25!

Eras o batimento do meu coração, o sopro do meu sufoco quando os pesadelos eram a minha casa. Eras a minha mente limpa, a minha respiração ofegante e tão tranquila por te ter. Eras as noites cheias do nada, eras o chão que me segurava quando tencionava voar. Eras os sonhos fora da ilusão, eras o retorno dos meus passos, a felicidade atingida. Eras tu, tu meu herói, eras tu o meu super-humano... os braços abertos depois de uma falha, o sorriso no meio da dor, o caminho na direcção certa. Eras tu, o meu alívio nas noites de lua cheia, o meu sossego dentro de um coração agitado. Eras tu, a melodia perfeita sobre uma alma apagada.
Foste os dias corridos, os segundos percorridos e cada pedaço de mim. Foste tu que me possuíste, fui eu que te fui, que te levei e nunca te deixei. Foste a destruição de uma dor inconfundível, foste o ouvinte de uma voz inaudível. Foste tudo o que não poderia existir... eras o ser que percorria cada traço meu. Eras o grito do meu coração desesperado e a sua salvação. Eras um tudo muito tudo, um vazio que de vazio nada tinha... eras tu, sempre tu, meu porto-seguro, meu Ser Humano tão... m-e-u! Eras as batalhas vencidas e as vitórias falhadas. Eras as tempestades, as chuvas, o terror, o desalento, mas eras também o fim do sofrimento...
E, não é que o continuas a ser?
Sabes que te amo, mas eu amo-te mais do que aquilo que tu sabes. 

meu, tão meu, unicamente meu. i love you gordinho.

p.s. peço imensa desculpa pela ausência. *

2 comentários:

  1. A permanência é um privilégio que nem todos os amores conseguem ter. Preserva o teu*

    ResponderEliminar
  2. não foi um rapaz que me tirou, foi sim a dependência que se foi criando*

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.