26 de fevereiro de 2011

- fracasso.

Agora que já me preenches, agora que levaste o meu coração até à escuridão, agora que me lançaste ao abismo das noites dos pesadelos sem fim, acaba de vez com a minha força, acaba de vez com esta esperança nula que se agarra à alma. Agora que os caminhos deixaram de fazer sentido, agora que eu acabei de me perder novamente, podes absorver toda a felicidade que ainda continha no coração.
Vem dor, mereço-te, pertenço-te - não fujo.
Sinto-me um nada. Sim, exatamente um nada. Um vazio muito vazio. Um vazio, um completo vazio. Sou a minha própria solidão, crio o meu próprio desespero quando esta pequena alma esgota a força. 
Falhas. Cometo falhas, demasiadas falhas. E como sou um vazio, não me tenho, não me pertenço, não me vivo, (respiro-me), e como nada é meu, perco o direito de merecer alguém, algo, qualquer coisa! 
A dor de que sou feita faz-me sentir.. mais Humana.
Às vezes apetece-me não ter coração.

« música e lágrimas, muitas lágrimas. »
 - já não consigo escrever.
haverá palavras certas para descrever a dor profunda? :'

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fica em segredo, entre nós.