10 de julho de 2010

- goodbye.

Eu quero partir. Deixar-te ir. Quero seguir outro caminho sem te encontrar, porque deixou de valer a pena. Não falo de ti, falo de um nós sem sentido. Acabado, destruído. Eu sou outra e depois de tempos sem te ver, sentia-me a tua nos teus braços, mas uma tua diferente. Não importa se as lágrimas hoje ainda não secaram, se ainda abalas o meu coração, se ainda me destróis com todas as tuas forças. Sempre conseguis-te, não foi? Sempre fui sendo a tua boneca, sempre cuidas-te de mim como se fosso o teu coração, até ao dia em que te fartavas de ser falso e me esmagavas com o ódio louco que sentes por mim. Não sei o porquê, porque independentemente de ser quem sou, dei-te demasiado para merecer isto de ti. Sabes embalar-me nas tuas palavras e eu só consigo abrir os olhos quando já é tarde demais. E hoje é mesmo o dia, o dia em que é tarde demais, não digo tarde para (te) esquecer, mas sim, tarde para (te) querer.

5 comentários:

  1. Não ha nunca um tarde demais, isso somos nós com o pessimismo . Nunca é tarde, a não ser que se queira *

    ResponderEliminar
  2. Senti estas palavras como fossem as minhas porque comigo foi parecido (: seguir é frente é o caminho certo. Olha para trás e tras os melhores momentos e aproveita bem os ensinamentos , servem para toda a vida

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. é tarde quando apenas um luta, quando só um quer.

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.