17 de maio de 2010

- não!

Não, eu não gosto de ti, não gosto de te amar e não gosto que tenhas o meu coração, não gosto.
Não, eu não gosto do teu sorriso, daquele teu que faz o meu nascer também, não gosto.
Não, eu não gosto do teu olhar, nem do brilho que ele contém, só pelo facto de iluminares o meu caminho quando queres e me virares as costas quando eu decido dar-te a mão para sempre, não gosto.
Não, eu não gosto dos teus abraços, aqueles que me dás para que eu me sinta protegida, mas aqueles que me tiras quando eu mais preciso, não gosto.
Não, eu não gosto das tuas palavras, das mais cruéis, as que me gelam o coração, não gosto.
Não, eu não gosto dos teus beijos, dos que me levam à lua, mas que em momentos me deixam no poço mais fundo, não gosto.
Não, eu não gosto do teu ser, do teu ser sem coração, aquele que eu tento desprezar, aquele que eu digo odiar.
Não, eu não gostava quando dizias que me amavas, porque eu sentia que era bem mais do que isso.
(gostava de não gostar, de tudo o que gosto de ti.)
Eu não perdi por ficar com um coração destruído,
eu ganhei por ter vivido.

3 comentários:

  1. "Eu não perdi por ficar com um coração destruído,
    eu ganhei por ter vivido."

    Também quero pensar assim :x **

    ResponderEliminar
  2. ♥ a quem chamas de sonhadora. :'17 de maio de 2010 às 21:06

    - é mais um dos teus textos lindos, mais uma passagem da tua vida que sei que para ti não é das boas (é o que eu acho). acredita, (espero que acredites) eu estou aqui para te ouvir... beijo, coração de músa. (♥)

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.