4 de março de 2010

- the end.

 

E eu era a puta (como me chamas) que te dava o prazer de me amar.
Prometo prometo prometo ! (...) não voltar atráz !

E eu cansei, mas cansei de vez. Cansei-me dos teus jogos e do teu amor sem sentido. Cansei-me das tuas "duplas" personalidades e cansei-me da dor que insistes em lançar para o meu coração. Cansei-me das lágrimas e das forças perdidas por ti. Cansei-me de ser o teu brinquedo. Que pegas quando queres, insultas quando te apetece e depois, quando voltas ao teu "estado normal" dás-lhe carinho, tratas como se fosse o teu maior tesouro e preservas para que dure. Tu não és assim, mas não faz mal, fizeste-me desistir de ti e de tudo o que tenha a ver contigo e cada vez que lanças cada palavra esmagadora para a minha alma, acabas-me com a paciência e tudo gira ao contrário. Chamas de amor ao que sentes, mas nunca soubes-te o que isso é. Agora, héi-de seguir todos os caminhos que me separem de ti e tu, ficarás na memória que eu teimo em esqueçer.
(A partir de hoje e sempre as palavras ficarão perdidas naquele diário, nas folhas que nunca mais lerás, no sentimento escondido, que já não é teu.)
Hás-de aprender, mas será tarde demais.

4 comentários:

  1. Como eu te compreendo. Eles voltam sempre -.- Um dia, será demasiado tarde.

    ResponderEliminar
  2. Se ele te faz sofrer, esquece mesmo :)
    Falar é fácil, eu sei. Mas força *

    ResponderEliminar
  3. eu entendo bem o que sentes :c
    já li o teu texto milhares de vezes , amei e encontrei-me bem com as palavras que escreveste! estálindo.

    ResponderEliminar
  4. podes dizer-me o nome da musica ? :$

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.