18 de fevereiro de 2010

- quero.


«Se soubesse sofrer, sofria menos, mas como não sei, espero pelo dia de aprender.»

Vens, em dias diferentes, quando a estrada se torna demasiado longa e os dias mais escuros. Vens, consegues abrir-me o coração, deixar-lhe as marcas da tua existência, mas partes, sem ouvir a voz do coração. A alma mantem-se vazia, a esperança que me resta vai-se desgastando com as noites da tua ausência, enquanto a saudade invade o ser que deixas-te, a tua perdida. As estrelas, oh, nem essas têm os mesmo brilho das noites em que os nossos sorrisos pertenciam ao mundo que crias-te.
Perdi, não és o mesmo. O quanto mudas-te, o que conseguis-te mudar, não é meu, não me preenche; magoa-me.
Estou cansada de mim. Estou cansada da dor que não consigo mudar. Estou cansada de ser eu. Estou fraca, demasiado fraca para não me sentir em vão. Não, não controlo o amor. Não, não consigo controlar as lágrimas que não secam, não mando no meu coração, eu sinto, eu amo-te, eu amo-te!
Não te tenho. Não tenho nada, mas sobrevivo no silêncio. Não sei por onde ando, não encontro o caminho certo. As forças acabam e eu desisto (não de ti, de mim). Sei amar, mas e acreditar?
(Não quero que sejas fraco como eu, nunca!)
Quero ver-te, olhar-te. Quero sentir-(te), sentir o teu coração, a tua dor. Quero sentir que me amas, como à onze meses e dezasseis dias. E mesmo que a princesa, hoje, esteja sozinha e que viva para o nada com o coração cheio de amor, o príncipe não deixou de existir. Ele vive, distante, mas vive.
Eu já não posso prender as lágrimas ao coração.
Eu já tenho a alma demasiado gasta para conseguir ser feliz.
Não sou, nem nunca mais o serei.
Dói demais.

3 comentários:

  1. está lindo meu amor.
    força.
    estou contigo para tudo e para sempre (:.

    ResponderEliminar
  2. força meu amor. sabes que estou aqui para tudo e que podes contar comigo sempre.

    amoo-te assim muitoo (L)

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.