22 de fevereiro de 2010

- ausente de ti.

 


 «Queres fugir, mas não consegues. Queres não sentir, mas sabes que não deves.»
Sinto-me gasta e cansada de ti, sabes? Sinto que nunca te soube ter, nem guardar-te como mereçias. Sinto que não consegui dar-te o verdadeiro valor e por isso, decidis-te fechar-te na vida que eu sempre me recusei a entrar (não é verdadeira, não é a que eu sei sentir).Tu tinhas sempre razão, conseguias sempre decidir sozinho o caminho que gostavas de seguir e eu, ficava à tua espera. À espera que voltasses a ser o meu, o que nunca chegas-te a ser. Mas sabes, meu amor, eu sentei-me no nosso banco mágico à quarenta e dois dias, eu tenho esperado sempre que voltes e que permaneças no nosso mundo, mas não. Tu vens, ficas e acabas por ir, deixando o meu coração em pedaços. 
«As forças não duram para sempre.»
E assim foi. A minha constante presença não te fazia sentir a minha dor. O meu coração de tanto gritar pelo teu nome, ficou sem voz. A minha alma, foi levada por aquele mar, aquele que levou também as minhas palavras que te fizeram sorrir. O sentimento, voou ao som da melodia que as forças me conseguem dar e as saudades, o tempo há-de fazer desaparecer.
Hoje, quando caminhei em direcção ao mundo que é meu, o vento soprou-me forte e eu deixei-me baloiçar nas memórias que ainda guardo de ti. Não me senti presa ao amor, mas também não me senti aliviada à dor e isso mantem-me fraca.
- Nunca me deixas?
- Não, nunca te deixo.
Uma carta já gasta pelo tempo e umas palavras que jamais voltarão. A tua ausência corroi-me a alma, desgasta-me o ser e devora-me a força. O caminho é tão incerto como escuro e eu preciso excessivamente de paz. Não me importo, já me habituei ás tempestades que lanças para me (des)proteger e ao sol que teimas em esconder para iluminar cada passo que tento dar.
Vai, agarra-te à força que sempre tives-te, ao orgulho que nunca puses-te de parte e sê quem sempre foste. Vai, o teu caminho não é o meu, o teu mundo não me pertençe.
 Tu lutas para me odiar, enquanto eu luto para te esqueçer..
Hoje, quero-te.
Hoje, amo-te.
Hoje, desespero-(te).
Amanhã, serei forte, acreditarei em mim.
Amanhã, serei eu, no mundo da tua ausência.

8 comentários:

  1. achamos sempre que somos capazes de lidar com o presente. o futuro dói, o passado relembra. mas a certeza reside sempre no nosso «hoje». Gostei muito !

    ResponderEliminar
  2. amor, obrigada pro tudo.
    eu sei, irás ter sempre força para te aguentar, vais sempre saber como continuar !

    amo-te boneca. (L)

    ResponderEliminar
  3. A força que eu tenho a certeza que vais encontrar. Só tens de procurar bem e não a deixar escapar ;$$

    ResponderEliminar
  4. Mais uma vez, lindo. E mais uma vez, triste. Mas o amor é assim mesmo...gostei muito :)

    Força querida *

    ResponderEliminar
  5. "Amanhã, serei forte, acreditarei em mim."
    Só tens de seguir o que disseste, ter força e continuar sem pensar no que não vale a pena.
    Vou seguir :$
    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Um dia héi-de ter a força de que preciso, mas voltar a ser feliz, não, não vou ser. Porque não existe ninguém que me faça feliz como tu soubes-te fazer. E agora só consigo ser feliz dessa maneira.
    - Mas a minha felicidade não importa para nada. Vou lutar é para me manter vivo, depois disso, héi-de ter força para te tentar odiar.
    Até um dia.

    ResponderEliminar
  7. Só começando a tentar e a lutar é que alcançamos os objectivos pretendidos.
    E acho que vais no bom caminho (;
    Força.

    ResponderEliminar
  8. Está muito giro:P
    Obrigada pelo comentário, e pela força, que querida +.+

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.