13 de janeiro de 2010

"Maior erro de toda a minha vida."


Acabou, mas para ti, não para mim. Nunca serei a perfeição que aos teus olhos era e nunca serei «a melhor pessoa do mundo» como tu és, sim, o que és para mim.
E agora deixaste-me um coração despedaçado, uma alma escura, umas lágrimas de saudade que caiem constantemente, um desespero, um amor perdido. (Não, eu não te perdi, porque tu permaneces dentro de mim.)
E agora eu não posso falar da existência de um «nós» durante todo o tempo em que me fizes-te feliz e que fomos felizes, juntos. Não posso dizer que és meu, como eu sou tua. Não me pertences, não o mereço. E mesmo que não cuides de mim, e mesmo que seja uma traidora de merda, é por ti que vivo e viverei sempre, até não ter mais força.
(As forças não duram para sempre.)
Mas mesmo sendo fraca, vou acreditar no nosso amor, porque é isto que me faz viver, és tu. Mas a culpa é minha, sempre foi minha. Eu errei sempre, mas eu acabei por sofrer sempre, desculpa.  «Não mereces nada.»
Eu não tenho vontade de viver, eu não sinto o meu coração. Ele partiu, ele não vai voltar, prometeu.
E podes quebrar todas as promessas, todas as juras e podes apagar da tua cabeça tudo o que passamos juntos, que eu, prometo guardar tudo dentro do meu coração, prometo não contar nada a ninguém, prometo guardar a carta e tudo o que sabes que nos pertençe, porque eu senti o que vivi, tu sentis-te, «nós»  sentimos.
Agora, podes pensar tudo de mim, mas não duvides do que sinto.
«O teu coração vai mandar.»
«O meu coração vai esperar, vai amá-lo.»
«E estás disposta a sofrer?»
«E o que me resta?» :'

A saudade vai permanecer, vou senti-la todos os dias. As lágrimas vão manter-me fraca e vão gelar -me o coração, agora não estás do meu lado, não para me abraçar e proteger. (Nunca mais.)
Tenho medo de tudo e não consigo acreditar em nada. Para além de namorado, perdi um melhor amigo e és tu, tu que sabes tudo de mim. És tu que me conheces, és tu, mais ninguém. 
«És um tesouro que é só meu e de mais ninguém, meu amor.» 
E passado dez meses e onze dias, não o sou, não o soube ser. 
«Eu prometo que vamos ficar juntos para sempre e que vai ser tudo como estamos a sonhar.»
Eu não queria magoar-te. Fui eu que te perdi, fui eu.
 Tenho esperança, porque o amor é mágico e passe o tempo que passar e mude tudo o que mudar, eu amei-te, (AMO-TE) eu senti-te e podes vir a esqueçer todos os outros dias, mas isto «2, 3, 15, 19, 26» é para sempre. :"
«O que eu sinto, o que eu vivo, não é um erro, nunca foi

E mesmo que tenha sido o maior erro da tua vida, foste tu que me ensinas-te a amar.
Não vás, meu prínicpe, não vás. :'


1 comentário:

  1. és a minha músa, marta! /s.13 de janeiro de 2010 às 22:19

    não desistas amor, não desistas. ele pode ter dito aquilo por ciúme e bão por querer magoar-te. não percas o teu sonho, se lutaste até aqui ainda tens forças e eu sei que tens, para continuar, para o (re)conquistar.
    amo(-)te minha músa. <3
    :"

    ResponderEliminar

Fica em segredo, entre nós.