23 de outubro de 2009

Dá-me a mão.

(Umas palavras sentidas, umas lágrimas sem fim, umas saudades incontroláveis e um coração cheio de amor eterno.)
É duro sentir o coração com este aperto.
É duro sobreviver, com a tua ausência.
É duro amar-te cada vez mais, sem te poder ver.
É duro não conseguir parar as lágrimas que escorrem, por sentir tanto a tua falta.
É duro, e daí? O coração é meu, o sentimento é nosso.
São demasiadas as saudades, mas mesmo sendo fraca, aguento, por ti.
"Eu amo-te. Juro que isto é para sempre."
A chamada terminou, mas tu juras-te.
Dói tanto ouvir as tuas lágrimas, senti-las do lado esquerdo do meu peito e saber que não posso pará-las.
Dói sentir que naquelas chamadas ambos choramos pelo mesmo.
(É tão forte.)
Dói saber que, sem mim, não estás feliz, e dói saber que não consigo lutar contra o impossivel.
(O que vivo contigo, é um sonho.)

« Sim, nós somos para sempre e eu acredito, como sempre acreditei. » :'

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fica em segredo, entre nós.